Sexualidade e a paralisia cerebral, parte 1!


Terça-feira, falei sobre a sexualidade de pessoas com lesão medular e disse que precisava vim falar sobre a sexualidade de pessoas com paralisia cerebral, que é um mistério para certas famílias. O texto de terça-feira, como todos os outros, publiquei no facebook e a Dani já conhecida, aqui no blog, levantou algumas questões interessante que vou trazer nesta serie.

Como já falei, varias vezes e vou repetir mais um milhão de vezes, a paralisia cerebral em si, já é um tabu! O pessoal, de fato, não sabe o que é, o que significa. Imagina, coloca o tema sexualidade dentro do “mundo da paralisia cerebral”, ai que o negocio fica mais desconhecido ainda.
Primeiro, muitas vezes, os pais ficam tão focados na deficiência, que deixa de lado a vida social; escola, amigos, o brincar, namoro, só pensam nas terapias. Lado social é importante sim, é conviver, se relacionar, com o outro, ser ativo no mundo se não, a pessoa com paralisia cerebral vai viver em outro mundo. Ela, simplesmente, não vai ser apresentada ao mundo real, a vida, foi, completamente, anulada como sujeito.
Claro que a pessoa com paralisia cerebral, que for apresentada a realidade, a sexualidade vai está junto, não é  nenhuma novidade para ninguém que a sexualidade está presente na vida do Homem. Como a Dani diz, “todo mundo tem necessidade se sentir aceito,amado,querido. Todo mundo precisa de alguém que apesar de todas as suas questões te enxergue como parceiro, mas que também entenda suas limitações.”

Até mais,
bjo,    
Carol 

1 comentários:

Roberta, uma mãe que viaja

Muito legal e importante de preocupar com a sexualidade dos filhos, tendo deficiÊncias ou não.
É hipocrisia achar que esse lado deve ser adormecido.

Gostei!

" As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem". Chico Buarque
 
Carolina - Um sonho a mais não faz mal
Design por João Elias - Topo ↑