Ela existe, tentar esconder só atrapalha!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Vamos falar sobre a matéria do Fabiano Puhlmann na Revista Reação deste mês. A matéria veio na hora certa, pois estou tem varias pessoas vindo me procurar com a mesma questão: Sexualidade X Família.

Como o Fabiano fala muito bem por sinal, os pais e educadores devem saber que a vivência sexual da pessoa com deficiência, quando bem dirigida, realiza o desenvolvimento afetivo, o sujeito consegue assim estabelecer contatos interpessoais, fortalecendo a autoestima, o bem-estar e a inclusão na comunidade.
 A não aceitação dos pais frente à sexualidade do filho, provoca conflitos e atitudes incoerentes de ambas as partes, gerando frustração, dor e muita angústia, pois fica algo obscuro, onde os pais tentam esconder o que o filho está sentindo deles e do próprio sujeito. Isso resulta, ansiedade e falta de confiança no potencial afetivo-sexual das pessoas com deficiência, gerando dificuldade para a pessoas com deficiência lidar problema.
Uma das primeiras questões que a pessoas com deficiência precisa olhar, é a simbiose com os cuidadores, familiares, parentes, é preciso saber quem é, qual é a necessidade de um e onde começa a do outro, só assim a pessoa com deficiência vai desenvolver sua identidade sexual de forma saudável.
 A família deve proporcionar os princípios básicos para convivência social da pessoa com deficiência, valores, normas, limites, direitos e deveres, igual fazer com qualquer filho.
 Os pais devem olhar e aceitar a sexualidade do filho com deficiência e assim educar, orientar. Afinal, flertar, o ficar, o namorar fazem parte da vida do ser humano, lembrando que pessoas com deficiência é ser humano.


Até mais,
bjo,    


Carol

1 comentários:

Chrys

Infelizmente ainda vivemos com muitos tabus e o pior é que as pessoas não estão dispostas

" As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem". Chico Buarque
 
Carolina - Um sonho a mais não faz mal
Design por João Elias - Topo ↑