O brincar

    Penso que os médicos e as famílias não podem só pensar na perfeição do sujeito, mas sim no estabelecimento da interação com ele. O que quero dizer com isso é que é necessário se perceber o momento de parar com as atividades e fazer outras coisas, como brincar, por exemplo, porque apesar da patologia estamos em contato com uma criança. O brincar, além de também exercitar algum aspecto importante, diverte a criança, faz parte de seu universo.
Até mais,
bjo,
Carol 

1 comentários:

Butterfly World

Oi Carol,tudo bom?meu nome é Dora,tenho 17 anos e adorei seu blog,eu também tenho um,que trata do bullying e vai começar a tratar de outras discriminações que as pessoas sofrem.Eu gostaria de saber se quando voce era menor sofreu algum tipo de preconceito e se isso ainda continua?
o endereço do meu blog é:www.novavidaparavoce.blogspot.com
Bjs,Dora

" As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem". Chico Buarque
 
Carolina - Um sonho a mais não faz mal
Design por João Elias - Topo ↑